29.9.07

Concessão da Morte



A morte concede o moral direito
Ao Homem quando sua vida findar
A homenagem e o respeito
De pessoas seu corpo velando a chorar
.
Umas choram com desgosto sincero
Outras com desgosto por definir
E Deus omnipotente olha e austero
Nota muitas chorando a fingir
.
As que vertem lágrimas sentidas
São as que o morto já desperta saudade
As indulgentes de bondade definidas
Transparentes de amor, de verdade
.
As que vertem lágrimas por emoção
Porque o momento é dramático, triste,
São frágeis, são a indefinição,
Só debilidade nelas existe
.
As que vertem lágrimas fingidas
O acto é puro prazer, entretenimento,
Suas mentes baixas, enegrecidas,
Vão falando do alheio a passar o tempo
.
O morto não as ouve, dorme no caixão,
Um sono que nunca mais vai acabar
Pessoas em seu redor com e sem comoção
Poucas penando, muitas sem penar
.
Tanto cinismo, falta de sentimento,
Tantos corações mal formados, tortos,
Esquecem que também terão seu julgamento
Porque também um dia serão, mortos
.
E revoltas em mim comprimidas
Ao ver tanta farsa, tanto fingimento,
De falsas lágrimas p'los dedos espremidas
Entristecem meu coração, meu pensamento
.
Que pressentindo a extremosa
E desejada presença de Nosso Senhor
Rogam-lhe em prece fervorosa
Meu Deus, converte-as ao bem, ao amor
.
João M. Grazina (Jodro)
.

Devaneando: É assim, que triste descrevo nesta minha composição poética, o que observo quando participo em velório a cadáver de pessoa, exposto em casa mortuária para ir a enterrar. É com respeito e em silêncio que presto a minha homenagem a uma vida que com desespero se extinguiu na morte e fico perplexo a olhar o proceder irreverente de muita gente a velar o morto, falando alto e até rindo, enfim, um exagero que considero absurdo, inumano.
.
"Jodro"



1 comentários:

caminhando disse...

O Poeta hoje apareceu muito taciturno. Com um texto grave e algo sombrio. Mas também respeitoso face a alguém que nos deixou.