18.9.07

SAP de Vendas Novas



Tribunal nega provimento a recurso do Governo sobre fecho do SAP de Vendas Novas
18.09.2007 - 17h25 Lusa

"O Tribunal Central Administrativo Sul negou provimento a um recurso interposto pelo Ministério da Saúde, que contestava a decisão judicial de manter em funcionamento o Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Vendas Novas, segundo fonte do Ministério."



3 comentários:

caminhando disse...

E agora? O SAP continua aberto, certo?

MFQ disse...

A extraordinária lentidão da nossa justiça permite-nos seguramente respirar por mais algum tempo. Quando chegar a hora do julgamento da providência cautelar se verá qual a estratégia (política ou judicial) a seguir.

MFQ

Marco António disse...

Mais uma grande vitória da população do concelho de Vendas Novas…

A decisão do tribunal Central Administrativo Sul negando provimento a um recurso interposto pelo Ministério da Saúde permitindo assim manter em funcionamento, durante 24 horas, o Serviço de Atendimento Permanente de Vendas Novas está, na minha perspectiva, muito longe de se poder considerar como uma grande vitória para a população do concelho; diria até que estando longe de ser uma vitória, não chegando, sequer, a ser um empate, não passará de uma forma de empatar o tempo.

A eficácia e a eficiência do SAP de Vendas Novas não se podem medir, exclusivamente, pelo número de horas que está aberto; passe a metáfora, a situação está longe de ser comparável á de um posto de abastecimento de combustível que funcionando 24 sobre 24 horas se demarca, positivamente, de todos aqueles em que o horário de funcionamento não vai além das 12 horas.

O SAP de Vendas Novas, e todos os SAPs do país, têm os dias contados, é tudo uma questão de tempo, e o importante será, no novo quadro do SNS que está a ser implementado, encontrar as melhores soluções que sirvam os interesses das populações do concelho de Vendas Novas, nas áreas da saúde preventiva, curativa e de urgência/emergência.

De nada valerá a pena tentar manter em funcionamento um serviço que é, manifestamente, deficiente face às necessidades e que, sobretudo, está totalmente desenquadrado do novo figurino do SNS; há que encontrar, como outras autarquias já o fizeram, soluções alternativas devidamente inseridas no novo figurino do SNS e que melhor sirvam a população do concelho de Vendas Novas.

Inovar, dialogar, negociar, condescender, despolitizar e tantos outros verbos que fazem parte do léxico comum, ganham particular acuidade no caso vertente e podem ser, se bem utilizados, auxiliares preciosos na resolução deste problema.

A medicina paliativa é importante mas não cura ninguém e, muitas vezes, não chega a salvar da morte anunciada; por analogia, o problema do SAP de Vendas Novas não pode ser combatido com paliativos, esta decisão do tribunal é um mero paliativo, e se é certo que a terapêutica adequada à cura deste mal está devidamente identificada, há que encontrar vontade e disponibilidade das pessoas que têm obrigação e responsabilidade para administrá-la.