1.12.07

Restauração da Independência



Comemora-se (?) hoje a Restauração da Independência de Portugal face ao dominio espanhol, que durou uns longos 60 anos. Em 1580 tinha falecido o D. Henrique, sem ter designado sucessor. O Rei Filipe II de Espanha, que era neto do rei português D. Manuel I, invadiu Portugal e submeteu-o a 60 anos de domínio estrangeiro. Ao longo desse período negro da nossa História, Portugal foi governado, sucessivamente, por Filipe I, Filipe II e Filipe III de Espanha.

A nossa capital passou a ser Madrid e Portugal foi governado como se fosse uma simples província espanhola. Aos poucos foi-se instalando o descontentamento entre as populações, que aspiravam pela libertação face ao domínio filipino.

Isso aconteceu no dia 1 de Dezembro de 1640 quando, segundo reza a História, um grupo de fidalgos se dirigiu ao Paço da Ribeira, onde estavam a Duquesa de Mântua - regente de Portugal e o seu Secretário - Miguel de Vasconcelos. A Duquesa foi presa e o Secretário morto. Portugal recuperou a sua independência e foi aclamado Rei D. João IV - Duque de Bragança (nascido em Vila Viçosa) com o significativo cognome de "O Restaurador".





8 comentários:

MouTal disse...

Para aqueles leitores que se interessam pelo estudo da história de Portugal, e particularmente sobre o período do domínio castelhano, e pós recuperação da independência e guerras da restauração, aconselho a leitura de "O prisioneiro da torre velha" de Fernando Torres edição da Difel.
Trata-se duma biografia romanceada de D.Francisco Manuel de Melo que atravessa a história da Europa e de Portugal.
O romance histórico é uma maneira agradável de conhecer a nossa história, e Fernando Campos é um bom exemplo desse estilo.
Já agora um conselho, se não sabe o que oferecer...ofereça um livro.

cacikelocal disse...

VIVA PORTUGAL!

pedro oliveira disse...

Caro, alentejodive
Essa é uma maneira de ver a História, é uma opinião sobre o acontecido, na verdade, durante o domínio filipino Portugal sobre foi um reino independente com os seus símbolos próprios, as cortes e tal.
D. João era filho de uma nobre espanhola (vamos chamar-lhe espanhola para simplificar) e casado com outra espanhola (aliás num «link» que referes isso está patente)assim os filhos de D. João IV e de D. Luísa de Gusmão (futuros reis D. Afonso VI e D. Pedro II) são filhos e netos de espanhóis (espanholas) se isso é independência vou ali já venho.
O único momento em que Portugal teve, realmente, ocupadõ por uma potência estrangeira foi durante as invasões francesas mas essa é uma História, politicamente, desagradável.

bordadagua disse...

Afinal em que é que ficamos:

-fomos dominados pelos "espanhóis" ou pelo Reino de Castela?
Parece que a nossa História é um pouco traiçoeira!

Como estaríamos hoje se esse domínio ainda permanecesse?
Mais ricos e mais desenvolvidos ou nem por isso?

pedro oliveira disse...

A partir dos reis cat�licos (finais do s�c. XIV, princ�pios do s�c. XV) podemmos falar de uma Espanha unificada (digo eu)
http://gl.wikipedia.org/wiki/Reis_Cat%C3%B3licos

bordadagua disse...

E o hino da Restauração ainda é ensinado nas escolas como no meu tempo ou já não se fala nisso?
Quem se lembra da letra?
Parece que começava assim:

-Portugueses celebremos
O dia da Restauração
Em que valentes guerreiros
Nos deram livre a Nação-

..........

Feliz e Santo Natal.

alentejodive disse...

Viva, Pedro.

Não tenho dúvidas de que esta é uma forma de ler a História. É esta que eu prefiro, por simplicidade de raciocínio.

Quanto às Invasões Francesas, muito mais recentes, parece merecerem das autoridades nacionais mais ou menos o mesmo tratamento que o "Domínio dos Filipes": um ensurdecedor esquecimento.

Se calhar, mas só mesmo se calhar, é melhor assim.

bordadagua disse...

E a ocupação Árabe durante 600 anos?

Parece que deixou muitos "frutos" por cá e só foi pena que alguns "bárbaros" tentassem apagar todos os vestígios da sua riquíssima civilização que por cá deixaram.