10.12.07

Um cartune por semana



Ilya Katz - Israel

1º lugar na categoria Adulto no Concurso Internacional "Educação no Trânsito".

Veja mais em "Cartunes e bonecos" na barra lateral.




12 comentários:

bordadagua disse...

É pena o baixo número de comentadores aos excelentes artigos do Atribulações .
O que é que se passa?

Marco António disse...

Atendendo à grande sinistralidade que se tem vindo a registar nas nossas estradas, e ao elevado número de vidas ceifadas daí decorrentes, estamos, indiscutivelmente, na presença de mais um oportuníssimo cartoon que nos fez chegar o sempre atento e oportuno Moutal.

Que este cartoon constitua um alerta para todos os automobilistas, com atenção redobrada nesta quadra festiva que iremos atravessar.

Obrigado

Marco António disse...

Mais uma vez gostaria de realçar, por razões de ordem negativa, a importância e oportunidade deste cartoon divulgando aqui uma notícia veiculada pela agência Lusa com base em dados estatísticos fornecidos pela Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária e que nos dá conta do seguinte:

- 12 mortos, 56 feridos graves e 716 feridos ligeiros é o trágico balanço dos acidentes de trânsito registados em Portugal Continental na semana, apenas 7 dias, que terminou no passado domingo, dia 9;

- 814 (oitocentos e catorze) é o número total de mortos registados, no mesmo espaço geográfico, desde o início do ano até ao passado domingo, dia 9;

- Considerando períodos homólogos, 2007 vs 2006 e sempre até ao passado domingo dia 9, há a lamentar mais 27 pessoas mortas;

Numa análise aos óbitos registados por distrito verifica-se o seguinte:

- Lisboa 104; Setúbal 87; Porto 86sendo estes os mais mortíferos;

- Dos distritos com menor número de mortos aparece Portalegre com 12, Vila real com 13 e Guarda com 17;

Na presença destes números, números horríveis, deveremos todos reflectir sobre eles e redobrar cuidados para que esta onda arrasadora não continue a ceifar vidas e a destruir lares deixando órfãos, viúvas e pais desolados.

Haverá guerra, por esse mundo fora, mais sangrenta do que este autêntico flagelo nacional?

Eu estou em crer que não!

alentejodive disse...

Tem toda a razão, caro "marco antonio", ao comparar a tragédia que tem vindo a acontecer nas nossas estradas a uma qualquer "Guerra".

Há quem se refira a consequências idênticas a uma autêntica guerra civil. Dou-lhes razão.

Em média, morrem todos os dias nas estradas portuguesas cerca de 3 pessoas. E ficam incapacitados ou gravemente limitados, também todos os dias, um número impressionante de portugueses e portuguesas.

Não são estatísticas. São pessoas. Como nós. Que têm a sua vida, esposas ou maridos, filhos, e por aí adiante.

Mas continuam a ser tratados como números, mesmo pelas autoridades e pelos responsáveis. Responsáveis esses, a quem não é pedida qualquer responsabilidade pelas medidas que não tomam, pelas decisões que invariavelmente adiam.

E toda essa vergonha vai continuar, até que alguém com a lucidez e a coragem suficientes decidam tomar as medidas que se impõem.

Pelo que vejo, infelizmente, no nosso país não será tão cedo. E assim vamos continuando a morrer todos os dias ....

alentejodive disse...

Caro "bordadagua".

Como sabe, nada acontece por acaso. Nem mesmo o baixo número de comentadores.

Um dia poderemos falar disso, se nessa altura ainda se mantiver a mesma situação.

Mas vou um motivo para pensar e depois falamos: imagine que você tem um produto que quer tornar mais conhecido. Pode ser um blogue. O que faz para conseguir esse objectivo, ou seja, que ele seja mais conhecido?

(Nota: Eu julgo saber a resposta. Não tenho é tempo para o fazer.)

alentejodive disse...

Correcção:

Mas vou dar-lhe um motivo para pensar ...

Marco António disse...

Não posso estar mais de acordo com o Caríssimo Alentejodive quanto à necessidade imperiosa dos nossos governantes, os actuais ou quaisquer outros futuros já que relativamente aos do passado, todos, repito, todos, se limitaram a pequenas medidas avulsas, mais ou menos inconsequentes, sem nunca terem combatido, energicamente e com as medidas mais adequadas, o grave problema da sinistralidade no nosso país.

É minha convicção de que tem havido um muito maior empenho na tomada de medidas repressivas “just in timing”, do que, como seria aconselhado, na tomada de medidas proactivas a longo prazo e com início nos bancos das escolas: educação e respeito pelos outros, sensibilização do dever cívico, novos processos de ensinamento de condução, avaliações periódicas da apetência para a condução, exames médicos mais frequentes e rigorosos, mais vigilância nas estradas com carácter muito mais dissuasor do que, propriamente e como acontece agora, com carácter repressivo.

Faltará dizer que a implementação destas medidas, absolutamente necessárias e urgentes, apenas poderão vir a ser coroadas de êxito quanto aos seus resultados práticos, se formos capazes de assumir e formar novas e mais atentas mentalidades para a problemática da condução e aí, meu Caro, tenho sérias dúvidas de que se não será aí que a “porca irá torcer o rabo”…

Marco António disse...

Quanto ao problema da falta de participação activa neste Bloga aqui levantado, já que quanto ao número de leitores, participação passiva, o problema parece-me ser menos grave, gostaria de aqui deixar a minha interpretação sobre os factos:

- Para que um Blog tenha leitores e participantes ele precisa de ser conhecido, divulgado e, naturalmente, suscitar o interesse de todos aqueles que o lêem; o AL terá obtido a sua divulgação/participação máxima na versão anterior, mas a alteração de endereço electrónico antecedida de uma interrupção, demasiado prolongada, de dois meses, não obstante a melhoria qualitativa introduzida, ter-lhe-á sido fatal quanto às performances da versão actual: mais qualidade, indiscutível, mas menos leitores/participantes.

- Outro aspecto, não menos importante, que terá contribuído, sobremaneira, para a redução de participantes/comentadores no AL terá a ver, na minha perspectiva, com a restrição, pouco simpática mas perfeitamente aceitável tendo presente os factos ocorridos, imposta pelo administrador aos comentadores anónimos; a participação está hoje, apenas, aberta a todos aqueles que queiram registar-se previamente, utilizando nomes próprios, heterónimos ou pseudónimos e, não fossem algumas situações menos agradáveis que ocorreram num passado recente, poderia, de igual modo e se bem interpreto os sentimentos do responsável por este Blog, estar disponível a todos aqueles que quisessem participar anonimamente, vendo nisso, até, um louvável acto de discrição, mas nunca àqueles que, escondidos sob a capa do anonimato, tiveram a veleidade de se permitir escrever aquilo que, como tem sido patente, nunca fariam de cara descoberta ou semi-descoberta.

“O caminho faz-se caminhando” e eu acredito que uma acção, bem concebida, de divulgação focalizada nalguns “alvos estratégicos” poderá trazer o incremento de participação que este Blog não só precisa, mas que, sobretudo, merece.

MouTal disse...

Meus caros amigos
Permitam-me que discorde da vossa linha de pensamento sobre a segurança rodoviária.
Estou farto de ouvir...o governo tem de tomar medidas... etc...etc... etc...então e nós cidadãos não temos de tomar medidas nenhumas?
Os meus amigos não andam nas estradas e vêm os malucos à solta?
A falta de educação e de civismo não se resolve com mais polícia...somos o povo que somos,a crise não é de agora, tem centenas de anos e para mudar mentalidades são no mínimo necessárias duas gerações...eu já cá não vou estar.
Para me defender na estrada procuro fazer uma condução defensiva, até à data não me tenho saído mal, mas não estou livre de um dia levar com um maluco em cima...

bordadagua disse...

A Prevenção Rodoviária existe? Onde está?

Utilizo com alguma frequencia uma estrada com Tolerancia Zero e não há nenhuma indicação que alerte o cidadão comum que se encontra a circular numa via com restrições...Será para que sejam apanhados muitos condutores em transgresssão?

E para quando as nossas passadeiras com iluminação e com a frase escrita no chão em amarelo:
..."páre antes de atravessar"......como em alguns locais de Lisboa mas sem critério e sem legislação (?).

Os chamados "pontos negros " das nossas estradas não poderiam estar devidamente assinalados?

E as bermas das nossas estradas,têm segurança para os peões,ciclistas,motociclistas? E só falo das chamadas estradas de alternativa às auto-estradas como a N1,a N4,a N10.Em 2007 vêem-se bermas em estado lastimável proprias de um país do 3ºmundo.



Talvez daqui a 30 anos haja alguma Prevenção Rodoviária eficaz para bem dos nossos netos.

Feliz Natal.

Marco António disse...

Não há dúvida de que este cartoon nos suscita um tema de debate para o qual poderíamos estar aqui durante vários dias e muito dificilmente chegaríamos a um consenso; há, no entanto, duas correntes de opinião, contrárias, que se formaram e que assentam no seguinte: de um lado, os que culpabilizam o Estado e todas as entidades oficiais envolvidas como Polícias, Estradas de Portugal, Segurança Rodoviária, etc., e de outro lado os que apontam mais o dedo aos utilizadores e, sobretudo, á sua falta de civismo.

É comum dizer-se “no meio é que está a virtude”, mas eu nesta matéria direi que a falte de virtude pende muito mais para o lado dos utilizadores, enquanto peões ou condutores, do que para o lado contrário; obviamente que ninguém está, totalmente, isento de responsabilidades, mas se me é permitido estabelecer uma proporção, eu diria que 70% da responsabilidade está do lado dos utilizadores e, apenas, 30% do lado do Estado/outras entidades.

A sinalização nas estradas e cidades, os limites de velocidade, muitas das proibições impostas, em suma, grande parte do articulado do Código das Estradas, não é nada que não seja intuitivo e, como tal, incontestável e que deveria ser do domínio de todos.

Gostaria de aqui deixar um caso típico de excesso de zelo, no melhor sentido, por parte de alguns responsáveis e que seria perfeitamente dispensável se houvesse o mínimo de civismo por parte dos utilizadores; refiro-me à existência de muitas passadeiras de peões, as chamadas zebras, que para além de bem visíveis, mesmo de noite porque iluminadas, apresentam os seguintes dizeres em letras mais ou menos garrafais: ANTES DE ATRAVESSAR OLHE!!!

Meus amigos, acho que isto é o máximo que as entidades oficiais podem fazer pelos utentes, mas nem assim com esta sua atitude, muito para além do que seria exigível, conseguem obter resultados satisfatórios tendo presente o elevado número de vítimas mortais em passadeiras de peões.

Por tudo isto, acho que o amigo Moutal tem carradas de razão!

bordadagua disse...

Ainda o civismo ao volante:

-hoje na 1ª página do jornal "24 horas" vem um exemplo elucidativo dea mentalidade de alguns cidadãos.

A ser verdade o referido artigo vamos ver o que acontece ao "artista" faltoso!....